sábado, 4 de dezembro de 2010

Best seller, eu?!


Pode um escritor começar uma carreira de sucesso vendendo irrisórios quarenta exemplares no dia de lançamento de seu primeiro livro?
As pessoas que ouvi disseram que sim. O mercado editorial é assim mesmo, explicaram. As pessoas não leem, acrescentaram. Quarenta exemplares é um bom começo, garantiram.
É claro que o mais provável é que essas pessoas estivessem tentando diminuir minha frustração com a baixa receptividade de As covas gêmeas. Mas, mesmo que essas ponderações tivessem um mínimo de razoabilidade, era de se esperar que, num evento para o qual você convida mais de trezentas pessoas - e pelo menos uma centena delas garante presença - quarenta exemplares deveriam ter sido vendidos, na minha opinião, ainda na primeira hora da noite de autógrafos, não é mesmo?.
Mas, fazer o quê?
Pessoas muito queridas estiveram presentes, e isso me fez sentir-me feliz, apesar do resultado final. O carinho recebido compensou as ausências. E é a essas pessoas queridas que dedico a seção de fotos do evento, que pode ser vista em Zanfra, o Escritor.
Para terminar, quero dizer que minha frustração se estende à Brasiliense. Esperava muito mais da editora, que até hoje sequer me colocou no catálogo de seu site. Parece que o livro não foi editado por eles. Quanto à distribuição, que prometem ser nacional, As covas gêmeas pode ser encontrado apenas no site das Livrarias Curitiba.
É assim: depois de alimentar durante cinco anos a ideia de que poderia tornar-me um escritor, estes primeiros dias após o lançamento do livro estão me dando a impressão de que é melhor montar uma pizzaria.

EM TEMPO: A Editora Brasiliense informa que há outro ponto de venda para o livro, a Livraria Cultura. No momento em que acessei a página, não havia imagem da capa do livro, mas estou trabalhando para corrigir a falha.

39 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Zanfra
Você sabe o que é ser escritor num país como o nosso.É claro que a pizza vende mais. Esperar 5 anos não foi fácil...mas, um escritor não se faz do dia para a noite.Eu ainda não adquiri seu livro por causa de estar sendo vendido só em Curitiba.Meu pedido de presente de Natal,foi o seu livro. Calma que o boca a boca é eficiente e ainda vai lhe trazer muitas alegrias.
Feliz Natal....Feliz ano novo!
bjussssss

cilmar machado disse...

Calma, Zanfra!
Ali Babá também só tinha quarenta a sua volta! E sempre viveu numa roubada, como você agora experimenta. De fato, os que lêem são poucos, mas fiéis à boa leitura são muitos. Não baseie o seu sucesso apenas numa noite de autógrafos, que pode ter sido prejudicada por outros interesses e eventos realizados no mesmo dia e hora, em Floripa. Insista para que sua obra seja colocada no catálogo da Brasiliense e que se faça ampla divulgação dela, o que traria benefício para ambas as partes. Por enquanto, vou comprar o meu exemplar nas Livrarias Curitiba, se é que atendem pela net. Acalme-se, pois a ansiedade nunca foi uma boa companhia. No mais, sucesso. E desista de abrir uma pizzaria. O tipo de massa que você domina é a cultural...

Marco Antonio Zanfra disse...

Obrigado, Cilmar. Esse negócio de dominar a massa cultural foi... massa! E as Livrarias Curitiba vendem, sim, pela internet. É só clicar no link da postagem que você cai direto na página onde está meu livro.
Este recado vale também para a Sônia: não precisa ir a Curitiba para comprar o livro.

Blog do Morani disse...

Zanfra:

Todo o pai sofre durante a gestação de um seu filho, ao parto e após ele. Aos escritores se dão esses acontecimentos. Escrever um livro não é tarefa das mais fáceis nem das mais difíceis, mas se escreve ainda que ele venha a ser uma mediocridade. O mais complicado é a preparação para o parto: tem toda uma conseqüência de tarefas iniciais que desanima àqueles para os quais tudo se configura uma verdadeira muralha a interpor-se entre o escritor e aquele momento em que vê a "cara" de seu filho exposto à venda. Mas, cara, você venceu! Venceu a tudo e a todos. Não importa o número de exemplares vendidos à noite de autógrafos. Cilmar tem razão: são poucos os que se dão à leitura de uma obra. Nesse Brasil não há a cultura da leitura a não ser por obrigação, quando o currículo colegial exige de nós esse "enfado". Vou adquirir o meu através da internet pela Arabesco, minha livraria de preferência em Friburgo. Parabéns. Curta o fruto de seu esforço e de seus sonhos. Abraços.

Marco Antonio Zanfra disse...

Obrigado, Morani, mas será que a "Arabesco" vai ter o livro para vender?

Cíndia Rieping disse...

Acredite em vc! tenha paciência e... creia: " Quem acredita, sempre alcança"!
Estou lendo seu livro e confesso que é difícil parar! De verdade!!! Sem "jogação de confete"! Se eu achasse ruim, diria apenas... q estava lendo... e só...
Fica "frio"... o livro acabou de "sair do forno"!!!
Sabe quanto tempo eu demorei para ter um paciente depois que me formei???? Ihhhhhhhhhhhh!!! Melhor mudar o rumo dessa prosa!!
Um outro autor de quem sou fã incondicional é do "atualíssimo" Arthur Schopenhauer.
Sabe qto tempo ele demorou a ser reconhecido como autor e filósofo "de valor"????
Bem... demorou bastante, mas... isso É APENAS UM EXEMPLO DE SUCESSO QUE SERÁ DIFERENTE DO SEU... pois não terá de esperar tanto! TENHO CERTEZA!
Hj é dia 04 de dezembro. Seu excelente livro foi lançado no dia 1°... Não seria ... "um pouco precoce" pensar em mudar de ramo???? ehehehehehehehe!!! Além disso, acho q... pizza com "gosto policial" seria um pouco indigesta, não???
Calma, paciência e... muito sucesso!!

Abraço, Cindia.

Marco Antonio Zanfra disse...

Para informação de todos, a doutora Cíndia foi a dentista que deixou a boca deste humilde autor em condições de manter esteticamente um sorriso perene após o sucesso do livro. Espero que o esforço dela não tenha sido em vão.

Suzane disse...

Não sei responder sua pergunta, meu pai ja escreveu 4 livros e é sempre difcil de vender, realmente as pessoas não dão o devido valor, espero que com vc e por ser mais profissional com editora e tudo a coisa deslanche. . .
Desculpe a ausencia, mas surgiu uma viagem em familia de ultima hora e peguei tres dias de férias, dos muitos que tenho em haver.
Boa sorte
Suzane

Álvaro Junqueira disse...

Nada a ver, caro Zanfra. O importante é que o filho nasceu e o reconhecimento virá, pode crer. Quer saber? Já vejo um cineasta te contactando para comprar os direitos para filmá-lo.
PERSEVERE!!!

Bonassoli disse...

Mestre, quantos amigos teus além de mim não puderam comparecer? No mesmo dia, se não me engano, havia o lançamento na mesma cidade de outro livro produzido por três colegas nossos.
Entendo teu lamento, mas isso não deve ser um desânimo. Ao contrário, tem que ser um incentivo para continuares. Afinal, és repórter e sabes como poucos que a pauta até pode parecer ruim, mas sempre pode melhorar.

E o que importa é a venda nas livrarias. Quanto à editora, pressão neles.

Abraço.

Anônimo disse...

Ai, pai, esses 40 foram os primeiros de uma série. Ano que vem teremos a 2ª edição com orelha e tudo! Não encasquete com isso.

Sambaqui na Rede disse...

Zanfra,tás zoando:já VI autor mandar alguém comprar exemplares na moita para inteirar uma dezena de livros vendidos num certo lançamento. Por isso não fica zoando, pois vender 40 exemplares numa noite é feito memorável. Foram 40 pessoas que saíram de casapara prestigiar o lançamento e ainda abriram a mão para adquirir exemplares. Não despreza isso não! Bem vindo ao mundo das letrase saiba que ao contrário do alardeado,a galera lê sim.Tanto que o mercado editorial brasileiro cresce.É só alisar. Abraços.

Quartim de Moraes disse...

Zanfra,

Não importa quantos exemplares venha a vender, As covas gêmeas é uma das melhores novelas policiais que já li. Pena que a Ediouro a tenha recusado!. Estou agora na Global Editora, onde, entre outros projetos, lancei uma série de policiais paulistanos, com dois títulos já publicados: As cores do Crime, de Pedro Cavalcanti, e O assovio da foice, de Fernando Pessoa Ferreira (os dois, colegas jornalistas. O Fernando morreu em maio, antes de ver o livro publicado).

Se você tiver novidades, procure-me.

Forte abraço.

Quartim

Fernando Morgado disse...

Parabéns pelo parto literário, Zanfra. Parir um livro é sempre uma façanha, mas há algumas verdades envolvidas no processo. A primeira delas, creio, é humildade. Quem lhe deu o direito de achar que, ao virar editado, você será um estrondoso sucesso? Faça um passeio pela aventura da literatura mundial e veja quantos gênios, bem mais brilhantes que você, penaram durante anos para serem reconhecidos e vendidos. Escrever, e escrever livros mais ainda, é tarefa solitária, sofrida, apostólica, quase sempre sem qualquer recompensa. A vaidade de achar que o primeiro livro iria direto para a lista dos best sellers é próprio do iniciante. Então, eis os caminhos, Zanfra: pare logo com esta merda de escrever livro, coisa de trouxa, ou vá em frente, siga sua urgência de autor, sem esperar nada, só a satisfação pessoal e intelectual(que vale milhões), e escreva outro, ainda melhor, mais elaborado e acessível ao publicão.Ou então...continue escrevendo livros e os venda na pizzaria, que não é mau negócio, embora não tão recompensador. Abraço do Morgado

José Luiz Lima disse...

Caro Marco, não fique desanimado com a baixa frequeência no lançamento do livro Cova Gêmeas. Bola prá frente. Acho que você trem razão. A editora parece que não fez uma boa divulgação. Mas na divulgação boca a boca você chega lá. Mesmo assim, parabéns.
um abraço, do amigo Zé Luiz.

Carlos Brickmann disse...

Zanfra:

Pode ficar tranquilo, foi um excelente resultado.

Quando lancei meu livro sobre marketing eleitoral, eu era editor-chefe da Folha da Tarde, o livro tinha prefácios que iam do Cláudio Lembo ao Mercadante, o lançamento foi muito bem feito pelo Paulo Marra, na Choperia Continental, e vendemos 300 livros – em São Paulo. Aí é uma cidade bem menor, as circunstâncias são outras, 40 é muito bom. O Luís Mir, que lançou um livro com todos os documentos sobre erros médicos na morte do Tancredo, na livraria Cultura da avenida Paulista, não chegou a isso.

Quanto à editora, Zanfreta, esqueça. Em geral são muito ruins. Passado o lançamento, não dão mais bola para a gente (nem para elas, que, ao que supomos, vivem disso). E grana, também, esqueça: vai pingar um dinheirinho de vez em quando, quantias que você pode perfeitamente levar na carteira.

Vale pelo esforço, Zanfra. Valeu pela festa.

Abração!!!!

Carlinhos

Breno Maestri disse...

Uma história bem escrita revela um grande escritor. A partir de um livro sua obra passará de olhos em olhos. Talvez a indagação seja: "quanto tempo é necessário para um livro ser reconhecido com uma obra?".

Como eu (cheguei à cidade por volta das 23 horas depois de uma vistoria na 101) muitos não foram ao lançamento por imprevistos.
O importante é que cada um que te conhece leia o livro e o indique aos que têm prazer em ler.
O teu livro e o do Olsen Jr. estão na minha lista de presentes de Natal aos meus pais, minha irmã, sogra, cunhados e amigos. Ok, sabemos que amigos, amigos mesmos, são poucos, mas 20 exemplares não é pouca coisa.

Frustração, porra, Zafra, pra quem batalha com a palavra e não largou essa cachaça depois de mais de 33 anos é porque tem muita persistência e gás para cair no desânimo!


Em tempo: nosso sistema nega acesso para postar depoimentos em blogs, assim, não pude deixar minha opinião.

Sucesso e grande abraço,

Carlos César Rodrigues disse...

BOM DIA! CARA, DESANIMAR JAMAIS. CHEGASSES ATÉ AQUI, ENTÃO NÃO IRÁS DESISTIR AGORA, NÃO É MESMO? GOSTEI DO CARA QUE FALOU SOBRE A MASSA DA TUA PIZZA, ESTÁ CERTO ELE. QUASE TODO COMEÇO É DIFÍCIL, VÁ EM FRENTE. LEMBRA DO TEU VERDÃO QUE ESTEVE NA SEGUNDONA E VOLTOU COM TUDO. FELIZ NATAL E ANO NOVO COM MUITA SAÚDE E MUITAS VENDAS. ABRAÇO.

Sérgio Rubim disse...

Caro Zanfra,
não estive no lançamento do teu primeiro livro, porém vou adquiri-lo e lê-lo. Imagino que deva ser uma frustração vender "apenas" 40 exemplares no lançamento. Mas isso é o que imaginamos. Acho que 40 deva ser um bom número. Pouca gente lê livros. Comprar? Menos ainda!
Quanto à distribuição acho que deves dar um arrocho na editora. Botar o livro nas vitrines de livrarias em várias cidades, conforme dizes que foi tratado. O tratado deve ser cumprido!
De qualquer forma te parabenizo pela coragem do lançamento e acho que esses primeiros 40 não devem ser vir de desestímulo e, pelo contrário, de estímulo para outros lançamentos. Se confias na tua pena manda ver!
Um grande abraço
Canga

Anônimo disse...

Zanfra, o quadragésimo primeiro exemplar já está garantido. Devo passar uma semana emFloripa, em janeiro, e irei pessoalmente à livraria buscar meu livro ara depois pedir seu autógrafo. Mas fique tranquilo. Aos poucos a venda vai crescendo.Um abração e parabéns, José Luiz Teixeira.

Anônimo disse...

Poxa Zanfra! Você some por tanto tempo e nem um convite para assistirmos a transformação de jornalista para escritor nesses dias que respiram marketing é um ato falho mas, agora que tomei conhecimento vou adquirir com a condição de um dia ter o autógrafo.
Quanto ao nome As covas gêmeas, achei sinistro mas covas também pode significar um lugar que se guarda algo valorozo enquanto vida e um corpo na morte e fiquei muito curiosa para ler o que se passou pela tua imaginação.
Boas Festas, vendas e um abraço da Mana

Ludenbergue Góes disse...

Zanfra, bem-vindo ao clube dos best-sellers frustrados.Mas parabéns pelo lançamento. "Amão escreve e depois de escrito, segue"(Omar Khaian.
Ludenbergue Góes

Maria da Felicidade disse...

É isso aí mano... qual que é? Deprê? Não, né? Vai falando do seu livro pra todos e em todos os cantos.... Lembras do Plínio Marcos – o maldito – que ia nas portas dos teatros, livrarias, bares e afins para divulgar e vender suas obras? Não digo isso para que vc faça idem,idem mas... serve como parâmetro.... e como adoro o Plínio e adoro vc tb me veio esta lembrança. Tô feliz pacas em saber que mio amicci é porreta e vai em frente que vem vindo gente. Faça-me o favor de me avisar quando vier em Sampa, pois podemos tomar uns goró e botar a fofoca em dia. Beijos mil

Marcos Aidar disse...

Sempre alerta e em forma, Zanfra!
Abraço

Marcos Aidar

Iara Maria Pinós disse...

Querido amigo,
Sorry, desculpe,perdon, perdona, lamento,...
Não tenho palavras para te dizer que meu gmail, há muito não vejo, só trabalho (tanto que certamente minha caixa de correio deve estar lotada e não recebe mais nada,...)
Ando trabalhando muito, beirando a estupidez - que me fez perder essa tua ação de resgate de um escritor que existe dentro de ti !!
Não importa quantos livros vendes, importa é que leiam este primogênito!!
Tenho certeza de que este será o primeiro de outros pois isso é como filho, dá tesão de fazer, dá trabalho, mas quem tem essa capacidade fértil, não para na primeira, nem na segunda nem na terceira vez pois é "parindo" que te realizas!!
com carinho,

Iara Maria Gaieski Pinós

cilmar machado disse...

Pô, Zanfra! Mande a Brasiliense enviar mais livros para as Livrarias Curitiba que informam que o Covas Gêmeas já não há mais para pronta entrega. Comprei sob o pedido nº 35834902,e como demorasse, procurei saber o porquê: ESGOTADO.Tá vendo? Pare de chorar e comece a comemorar!...

Marco Antonio Zanfra disse...

Comemorar o quê, Cilmar? Está esgotado porque mandaram poucos exemplares. Para o lançamento, mandaram 50; vendi 40 - os dez restantes, pelo visto, já acabaram... Mas tenho uma boa notícia: a Cláudia Onofre, gerente comercial da Brasiliense, disse que nesta quarta-feira estarão distribuindo o livro para todas as grandes redes.
E antes que eu me esqueça: obrigado por prestigiar este autor principiante!

Anônimo disse...

Fala, Marco, meu querido... depois de todo esse tempo de gestação passando por depressão pós-parto??
Calma que de repente o tempo passa e eles estão andando sozinhos, e depois vem o segundo... e no terceiro vc nem fica mais aflito!! ;o)
Vendeu 40 dos 50 disponíveis?? Isso representa 80%!!! Ótimo índice!!!
Muito sucesso, meu querido!! Torcemos muito por vc.
beijo grande.
Angela Migues

Marco Antonio Zanfra disse...

"Depressão pós-parto" é ótimo, Ângela! E esse cálculo dos 80% de venda eu já havia feito, como forma de me consolar um pouco. Vamos ver se hoje a editora cumpre seu próprio cronograma e coloca o livro para vender nas grandes redes.

Sieleni disse...

Não entendo muito de vida de "autor", isso são coisas pra quem gosta, tem dedicação e objetivo, então não sei te responder ao certo sobre sua sorte/frustação! Veja como um começo, acredito que pra quem já tem um livro, lançar outro logo, não deva ser difícil [imagino que já deves ter idéia(s) ou escrevendo outro(s)].
Sucesso é isso, tentar, buscar e alcançar! Não desista!!!

Um grande Abraço
Família Fernandes

Anônimo disse...

Acalma-te Marco Zanfra! Acho que o lançamento do teu livro foi muito bem sucedido...e já te disse... o próximo passo será o programa do Jô... deixa só os leitores mergulharem no mundo do atormentado Marlowe, do Marlon & Maycon, do “malaco” do Ambrósio e companhia, para ver...a notícia de que esta história é cativante irá se espalhar “rapidinho rapidinho”, em bom “manesês”.
Aliás, achei formidável o fato de ser uma trama policial ambientada em Florianópolis...manezinho que se preze, como eu, deleita-se ao identificar cada metro quadrado dos locais descritos. (E aos que não são nativos, a leitura é uma excelente oportunidade para inteirar-se dos “points” pitorescos e manés da ilha). O que pode ser mais genuinamente mané do que Rua Padre Roma, Felipe Schmidt, Conselheiro Mafra, Praça XV, “Ponto Chic”, “Imperatriz da Mauro Ramos”, Mercado Público, etc, etc...? Geniiaalll !! Tô adorando!!!
Beijo e parabéns!
Guta

Celso Sávio disse...

Companheiro Zanfra.
Pode não ser um best seller, porém
vc fez algo.
Parabéns amigo e espero
convite para lançamento em Sampa.
Abçs. Celsinho Sávio

Marco Antonio Zanfra disse...

E você acha que eu iria esquecer meu amigo Celsinho Paçoca!?

Maristela Garcia disse...

meu querido marco
fiquei feliz de ter notícias suas, ainda mais envolvendo um rebento.
cuide pra não ter depressão pós-parto...rsrsrs
curta seu novo filho e não deixe que nada estrague isso. no final tudo dá certo. se não deu certo é porque o final ainda não chegou.
um grande beijo
maristela
p.s. estamos ficando velhos!

Rosmeri Paludo disse...

olá Zanfra

estou lendo seu livro e estou gostando MUITO mesmo.

O assunto para mim é um pouco pesado, nao estou acostumada com esta leitura, mas a forma como voce escreve é peculiar, voce é um grande escritor, se depender de mim não vai ser nenhum pizzaiolo.

Tem algumas passagens em que a forma como voce descreve, faz da leitura algo assim...bonito, para mim chega a ser um livro poético, apesar do tema.

Kim disse...

Espero encontrar o livro nas Livrarias quando eu chegar, 11 de Janeiro.. e o autografo, como e que fica?

Kim disse...

Esse Kim sou eu, Cintia :)

Cintia disse...

Olha, a capa ja esta na pagina!

Marco Antonio Zanfra disse...

Por mais tecnologia que tenhamos à disposição, o autógrafo tem de ser feito na ponta da caneta, e com a presença do autor. Não tenho previsão para a data de lançamento do livro em São Paulo, mas deve ser em janeiro - quem sabe você ainda esteja por aqui e o autor possa estar por perto para autografar o livro na ponta da caneta.