segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Bom velhinho?


Você acredita em Papai Noel?
Ou melhor, você confia em Papai Noel?
Suponhamos que você esteja parado no semáforo de um cruzamento próximo a um dos milhares de shoppings centers espalhados pelo mundo. O sinal está fechado, é noite e faz calor. De repente, um desses Papais Noéis bem caracterizados vem andando em sua direção, chacoalhando um sininho. Suando muito, porque ainda não inventaram uma roupa de Papai Noel para países tropicais, ele tem o olhar esgazeado, típico que quem está trabalhando horas a fio dentro de uma fantasia que é a ante-sala do inferno. Ou de quem está bêbado, ou drogado, ou com más intenções, ou tudo junto. Você:

a – Abre a janela do carro, diz hô-hô-hô e estende a mão para receber um caramelo de frutas, que provalmente o bom velhinho está distribuindo.
b – Fica condoído com o sofrimento do pobre coitado, abre a janela do carro e diz: Não acredito em Papai Noel, mas acredito em ti. Força, companheiro!
c – Faz de conta que aquela figura de roupas vermelhas e barbas brancas não está lá, mesmo porque Papai Noel não existe.
d – Encolhe-se dentro do carro, engata a primeira, sobe na calçada, arranca o pára-lama de um Fusca estacionado, fura o sinal vermelho e só vai parar três ou quatro quilômetros depois, para avaliar os estragos.

Se você escolheu a alternativa “d”, console-se: você não está sozinho. Depois dos últimos acontecimentos – esse Papai Noel que matou nove num subúrbio de Los Angeles – é cada vez maior o número de adeptos da corrente que considera o contato com Papai Noel uma atividade de risco. Se antes seu grau de confiabilidade era proporcional ao índice de crédito inerente a uma criatura lendária, agora seu conceito foi abaixo de zero: ele não existe, e além disso seu caráter é duvidoso.
Eu não acreditava em Papai Noel desde os sete anos de idade, e passei a não confiar nele em dezembro de 2001, quando o bom velhinho tentou matar uma publicitária nos Jardins, em São Paulo, a mando do pai dela. É lógico que, naquela época, a moça jamais imaginaria que a figura que a recompensava com presentes, todos os anos, por ter sido boa menina representaria uma ameaça real. Papai Noel?! Imagina!
Falando sério: quer coisa mais confiável do que, na época do Natal, ser assediado por Papai Noel?
É provável que, depois deste Natal de 2008, as pessoas comecem a ver o velho Santa Claus, em carne e osso, com um pouco mais de reserva. É provável que as empresas que agenciam os Papais Noéis comecem a exigir deles atestado de antecedentes.
De meu lado, sem querer parecer alarmista ou paranóico, já começo a olhar atravessado até para Coelhinho da Páscoa.

14 comentários:

Bonassoli disse...

"Papai Noel, velho batuta..." já cantavam os Garotos Podres.

Aproveitando a deixa, Boas Festas e um 2009 realmente melhor, em todos os sentidos.

Ho!Ho!Ho!

Ricardo Câmara disse...

O Papai Noel é um místico lendário que se identificou como símbolo da recípocra verdadeira, ou seja,presenteia-se e recebe-se um outro (presente) para simbolizar a efeméride.No decorrer dos tempos, a roupa vermelha lembrando a Coca-Cola caracterizou-se uma forma de consumismo no mundo que passou a ser uma festa privada de confraternização para os que têm recursos,banquetes fartos, presentes caros e uma filantropia exacerbada, pois só se lembram dos desvalidos uma vez por ano para se fazer jus ao advento. Poucos são os que meditam na graça das boas aventuranças.Hodiernamente,a figura mal interpretada de São Nicolau tornou-se pavorosa,e numa situação de engarrafamento no trânsito, de repente assoma uma figura camuflada de "um bom velinho" se dirigindo a um cidadão acostumado com os percalços de uma cidade movimentada, só resta uma reflexão: encarar um duelo em via pública com o farçante!

Dèco disse...

Caro amigo Zanfra. Infelizmente devo discordar apesar de nao viver em um mundo de fantasia. Sabemos que existe tudo que voce escreveu e que existem "bons velhinhos" ainda piores daqueles que destes como exemplo. Entretanto, devemos deixar rolar a fantasia e a imaginaçao das crianças que ainda acreditam em Papai Noel e esperam como presente ao menos um mundo melhor para se viver. Aqui na Itàlia a imagem do Babo Natale ainda goza de credibilidade e a imprensa procura poupa-lo pelo menos para salvaguardar, como disse, a fantasia de nossas crianças. A nòs adultos resta -apesar da vida nos mostrar a dura realidade - acreditar em dias melhores e fazer a nossa parte para que o mundo seja um pouco mais humano. E mostrar pelo menos nesta època, sem hipocrisia, que tambèm existem bons velhinhos que zelam por aqueles que sò esperam mas nao fazem absolutamente nada para tornar melhor o mundo em que vivemos. Parabèns pelas tuas colunas. Tenho acompanhado semanalmente e os assuntos sao sempre atuais e pertinentes. Aproveito ainda para dizer que pela primeira vez na vida passei o Natal brincando na neve, nas montanhas, fazendo bonecos e deslizando pelas colinas. Que 2009 seja Natal sempre, pelo menos no pensamento e nas intençoes. Para todos voces um ano repleto de realizaçoes e, acreditem, nunca è tarde para rolar feito uma criança sobre a neve. Obrigado meu Deus por haver saude para deslizar sobre a neve e esperança em um mundo menos frio que và alem de um aperto de mao mas que consiga acima de tudo atingir nossos coraçoes.Feliz 2009!!!! Baci a tutti e auguri. Andrè Guillamelau, Torrebelvicino (VI) - Italia.

Marco Antonio Zanfra disse...

Grande André! "Stai lontano!" É bom saber que alguém não apenas está vivo, mas rolando na neve como uma criança gordinha. Fico feliz em saber que você está bem. Transmitirei seus "baci" a "tutti nuoi amici"

Vico disse...

Pelas minhas contas, você deixou de acreditar em Papai Noel aos sete e passou mais de 30 anos confiando nele, apesar de saber que ele não existia. Uhm! Parece coisa de quem diz "Sou ateu, graças a Deus!"

Blog do Morani disse...

31/12/08

Caro Zanfra:

Fecharei o ano de 2008 com a companhia da mais grata novidade: os seus blogs inteligentes, cheios de humor e de informações. Esse último do "BOM VELHINHO" foi espetacular! Eu e minha esposa tivemos ataques de risos ao fecho do referido blog! Mas é assim mesmo que devemos nos comportar, depois da notícia do crime hediondo do papai Noel americano. Agora é duro desconfiar do Coelhinho da Páscoa, meu amigo!!!!
A quem mais poderemos declinar as nossas expectativas, nossas esperanças e sonhos de páscoa? Os Papais Noéis se transmudaram em verdadeiros Franksteins vestidos de alegres roupas vermelhas. Peço licença para imprimir seus blogs (faço assim com os de meu amigo Hudson - sociólogo0 para no final, juntando-os aos meus comentários, editar livreto como aquivo que não se apagará, mas se manterá ao alcance do meu círculo de leitores.

Um grande abraço com votos de Um Feliz Ano Novo (sem quaisquer símbolos de época)e superlativa produção literária.
Morani

PS. Por acaso conhece o blog FalaZÉ? É ótimo também e de outro jornalista de São Paulo! Está em férias, no momento.

Marco Antonio Zanfra disse...

Esse blog de um jornalista de São Paulo que está em férias no momento não seria "EscutaZé"? Se for, tenho-o entre os favoritos, do lado direito de meu blog. Aliás, devo ao José Luiz Teixeira - titular do "EscutaZé", velho companheiro meu na Folha de S. Paulo - a inspiração para criar este meu blog, em estilo de crônica. Aliás (de novo), foi de um comentário seu no blog dele que eu copiei seu endereço de e-mail, para o qual estou enviando a newsletter do "Fala, Zanfra!". Agi meio nas sombras, pelo que peço desculpas, mas não tenho como negar que o "plantel" do Zé Luiz está rendendo bons frutos: Maria Gilka, Ricardo Câmara e, agora, Mário "Morani". Quer incentivo maior para continuar com o meu blog?

Cintia disse...

Feliz 2009!!
Tadinho do Papai Noel, o "verdadeiro".. Paga pelo mau comportamento dos falsos...
Confio desconfiando, por isso jamais me sentei no colo do Papai Noel.. Alias, aqui nos USA agora tem um comercial de um remedio tipo Viagra em que um Papai Noel com um sorriso fixo nos labios tem uma fila kilometrica de mulheres esperando a vez de sentarem no colo dele..
Onde o Bom Velhinho foi parar..

Marco Antonio Zanfra disse...

Putz, baixaria! Pensei que só no Terceiro Mundo a publicidade apelasse para esse duplo sentido, esse humor "sutil".
Mas você demorou para escrever, prima. Estava na fila?

Cintia disse...

hahahahahahah... (demorei um pouco pra entender sua resposta)..
Fim de ano, muito trabalho, feriados, etc. me desnortearam um pouco..
Agora estou em contagem regressiva para minhas ferias, que comecao no dia 8 de janeiro..
Algum plano de ir a Sao Paulo no periodo?
Beijao

Marco Antonio Zanfra disse...

Quero evitar São Paulo. Só irei se tiver alguma obrigação por causa do livro. Mas, por falar em férias, o Rui e a família estão aqui em casa. E, como sempre acontece quando um paulista viaja a passeio a Florianópolis, está chovendo muito...

Cintia disse...

A maldicao dos paulistas...
Eu e o Kim fomos uma vez a Natal, porque la "nao cheve nunca". Nem preciso dizer que foi so a gente chegar... Cabrum!!

A proposito: o livro ja esta nas livrarias?
Cintia

Marco Antonio Zanfra disse...

O livro vai ser lançado em abril.

Maria Gilka disse...

Sobre o Papai Noel, não tenho uma opinião sobre ele, apenas penso que o Natal, que comemora o nascimento de Jesus , hoje é motivo para se comer, beber, gastar dinheiro comprando coisas , receber uma porção de bugigangas e dar outras que tais , esquecendo o espírito do Natal.

Um grande abraço e feliz 2009, com muitas realizações, saúde, paz e amor.