segunda-feira, 1 de junho de 2009

Apocalipse now

Quando cursei o catecismo para fazer a primeira comunhão, mais de remotos quarenta anos atrás, acostumei-me à idéia de que Deus acabaria com o mundo de uma só tacada. De tanto ouvir a alegoria do Juízo Final, dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse galopando pelos céus enquanto a terra era consumida em chamas, achava que o chão se abriria, tragando os infiéis e iníquos para as profundezas, e garantindo aos justos a recompensa da Vida Eterna. Tudo isso duma assentada só.
Nunca li a Bíblia – aliás, o livro mais longo que consegui ler foi “Chatô”, de Fernando Morais, e mesmo assim pulando algumas partes – mas sei que ela foi escrita numa linguagem que permite interpretações pessoais, como o horóscopo. De modo que minha visão do Armagedon foi seguramente a visão do Armagedon elaborada pela interpretação pessoal da catequista Salete, que me preparou com seus ensinamentos para que eu me tornasse um cristãozinho exemplar. Ou seja, podia não ser bem assim.
Hoje, com a visão crítica um pouquinho mais acurada do que na meiguice de meus oito anos, tenho uma teoria: o Juízo Final já começou. E começou pelas mãos de um quinto Cavaleiro do Apocalipse, representando a Natureza ensandecida pela sede de vingança.
Minha suposição tem sustentáculos bíblicos, se for necessário: Deus não levaria apenas um dia para destruir o que consumiu, segundo a teoria criacionista, seis dias para construir. Outro: o que é o tempo, para Deus? Dizem os fiéis que um minuto para Ele pode representar séculos e séculos para nós, insignificantes mortais. Por isso, o Dia do Juízo Final divino pode corresponder a Milhares de Dias do Juízo Final humanos.

Mas a base mais sólida para crer que o Apocalipse já começou tem natureza empírica: basta alinhar as catástrofes naturais que, nos últimos cinco anos, têm acabado com significativa parcela da população mundial. Tsunamis, vulcões, terremotos, inundações... Estas últimas cheias no Piauí e no Maranhão não são a reedição do Dilúvio, muito mais devastador porque não há, em contrapartida, uma reedição de Noé?
Não há entre os Cavaleiros do Apocalipse um que galope um cavalo verde, insinuando que a Natureza esteja capitaneando o Juízo Final aos que a afrontam. A única referência ao verde estaria num amarelo-esverdeado que representa a cor dos cadáveres em decomposição e tingiria a pelagem do animal onde cavalga a Morte. Mas a simbologia das cores não deve ser vista com muito rigor, já que o cavalo branco, na Bíblia, representa o Anticristo, e não a Paz.
Há muito tempo a Natureza vem exercendo seu direito de legítima defesa. As mudanças climáticas matam 325 mil pessoas por ano, segundo levantamento do Fórum Humanitário Global. Em 2030, de acordo com suas previsões, a temperatura média do planeta terá subido dois graus e os mortos chegarão anualmente a 600 mil. Em alguns séculos – ou minutos, para Deus – a quantos chegaremos? Parece irreversível. Os dinossauros certamente não foram extintos de uma hora para outra. Os homens também não o serão. Mas, em vista destas últimas inundações, as expectivas sombrias são de que eles irão, aos poucos, desaparecer sob as águas das chuvas.

35 comentários:

disse...

Sabe que há momentos em que penso assim?!

Anônimo disse...

Zanfra esqueça por um tempo o Apocalipse e entre num Juizo Inicial registrando o teu blog. Abraços da Mana

José Luiz disse...

Falou, Zanfra, acho melhor a gente ir construindo devagar nossas arcas...

Cintia disse...

O sertao vai virar mar e o mar vai virar sertao..
Mas ainda acho que o Homem, com suas guerras e politicas, mata diretamente muito mais que a natureza revoltosa.. Alguma estatistica?

Marco Antonio Zanfra disse...

Certamente, Cíntia. Mas o responsável pelas Guerras é o segundo Cavaleiro do Apocalipse, montado no cavalo vermelho.

Anônimo disse...

Prezado Zanfra
Concordo em gênero,grau e número e assino embaixo.O pior é que os dinossauros,segundo meus conhecimentos, não possuiam "razão/raciocínio", mas este apocalipse está sendo arquitetado pelo "homem"que sempre se atribuiu as maiores qualidades entre os animais,possuidor de uma grande "razão". A natureza conhece a verdadeira pequenez do ser humano.Aí,fico sem palavras.
Beijo
sonia carotta

Blog do Morani disse...

01/06/09

O FIM DO MUNDO

Zanfra esse é um assunto apaixonante, mas tem merecido o descrédito de alguns com certa dose de razão. Cíntia se baseia em declaração anciã propalada por sertanejos à época da Guerra dos Canudos. Um dos fatos marcantes comprobatórios de que o nosso sertão já foi mar, está em resíduos de conchas pulverizadas e algumas inteiras pelas terras soalheiras de nossas caatingas.
O sertão brasileiro, conquanto haja previsões da elevação do nível do mar, não voltará a abrigar água marinha; o contrário já está se estabelecendo por aquelas plagas sofridas: anda em
processo de desertificação total
o nosso sertão.
Quanto ao "fim do mundo" - o seu comentário tem por personagem central essa suposição há muito imposta ao Homem; suposição que pode se realizar bastando para isso que o eixo da terra, hoje inclinado, retorne à posição anterior repetindo o suspiro cósmico cíclico a que estão sujeitos todos os corpos físicos conhecidos como planetas. Quem discorre sobre isso é Pietro Ubaldi em um de seus livros.
Merece mais crédito que as Escrituras Sagradas?
Abraços

Marco Antonio Zanfra disse...

Suspiro cósmico? Ih, agora deu medo...

Blog do Morani disse...

Zanfra:

O livro de Pietro Ubaldi é o "A Grande Síntese". Já ouviu falar? Quando o tal suspiro cósmico se repetir - se houver mesmo - já não estaremos mais neste planeta. Como você sabe, tudo em cosmologia necessita de milhares ou de milhões de anos para se realizar. Mas só o homem pode apressar a sua extinção sobre o planeta, ainda que o pretenso fenômeno esteja longe de fechar o seu vórtice sobre sí mesmo. Pode até mesmo acontecer, mesmo não havendo mais nem um só ser humano sobre a face da Terra.

fábio mello disse...

Recebi outro dia por e-mail: "Existe uma teoria que diz que, se um dia alguém descobrir exatamente para que serve o Universo e por que ele está aqui, ele desaparecerá instantaneamente e será substituído por algo ainda mais estranho e inexplicável. Existe uma segunda teoria que diz que isso já aconteceu".

Pode ser.

Blog do Morani disse...

02/06/09

Senhor Fabio Mello:

A mim, só é estranho e inexplicável aquilo que ainda não tenha passado por observações e estudos acurados; e isso o Homem anda fazendo com esses telescópios em órbita ao planeta Terra. De espíritos profundamente analistas, nossos cientistas buscam respostas "olhando" para o fundo do Universo imensurável. Sabe-se, de antemão, que ele é um verdadeiro e gigantesco "cadinho" onde a física, a matemática e a química realizam, em conjunto, o milagre da Vida. Poder-se-ia afirmar, se levarmos em conta a teoria apontada em seu comentário muitas "sensações" físicas percebidas por nossos olhos e "codificadas" por nossos cérebros não passariam de "ilusões" assim como as cores, que não existem. Elas são fruto da refração da luz, em seus comprimentos próprios, sobre os bastonetes em nossos olhos a impressionarem "enganosamente" nossa visão. Seria o nosso Universo alguma "vibração" de comprimento adequado - lembre-se das ondas sonoras e os seus comprimentos percebidos de modo diferenciado aos homens e ao animais, em geral - a nos impressionar, também, com "realidades" inexistentes? Há mais coisas, abaixo dos céus e acima da Terra, que não sonha a vã filosofia humana. Quiçá, um dia, teremos todas as respostas que assaltam o espírito humano deixando-o aturdido e descrente.
Abraços.

Rosângela L. Bittencourt disse...

Quando somos colocados frente a frente com informações que podem mostrar nossa vulnerabilidade enquanto seres deste planeta,entendemos que, sem perceber, estamos nos destruindo.Zanfra,suas colocações são muito pertinentes. Basta mudar o foco para entendermos nosso processo de extinção.Parabéns por sua interpretação.

Regina Andrade disse...

Também penso que o fim do mundo não poderia ser em apenas um dia e parece que está mais do que na hora do homem pensar o que está fazendo com a natureza, já que ela resolveu se "vingar"...até as turbulências estão ficando diferentes...

Vico disse...

Pois é, esse texto nos remete a uma reflexão e posteriormente a uma conclusão: a de que não adiante refletir, é preciso agir. É preciso ações positivas. Estamos destruindo nosso mundo, Santa Catarina já sentiu na pele a vingança da natureza, e qual a atitude positiva que os catarinenses tomam? Aprovam uma lei que diminui a área de proteção ambiental. O pior é que quem aprovou a lei jamais vai sofrer os efeitos das enchentes a que ele condenou o restante da população.

Enéas disse...

A velha Folha não morre jamais, em rapaz ? Já sabia das suas andanças faz tempo, Zanfra, não pense vc. Muito bom.
Falando na nossa "vênus pastilhada", ainda hoje me perguntaram se naquele tempo se "o mobiliáriao da Redação era adaptado ao uso de computadores." Veja vc.
Disse que naquele tempo só conhecia computador em filme de "Jornada nas Estrelas" e os móveis eram comprados no leilão de refugo do Banco Brasileiro de Descontos, avô do Bradesco. E que antes foram usados na Rodoviária...
Mas está tudo ótimo. Sobrevivemos todos. Forte abraço. Enéas

Marco Antonio Zanfra disse...

Pois é, General Macedinho, só que, para mim, lembrar de você não é lembrar da Vênus Pastilhada, mas do João Sehn, lá na rua Lavandisca, onde nós arianos comemorávamos nosso aniversário. Lembra do chope com steinhagger e tábua de frios? Você, eu, Cris, Scarpa, Maristela?

Anônimo disse...

Zanfra,

A Bíblia menciona, em algumas passagens, os sinais do fim. Refere-se às guerras e às calamidades naturais como as “dores do parto”; um prelúdio do fim dos tempos. Segundo as Escrituras, é preciso vigiar e ficar atento a essas manifestações, que indicam que “a coisa tá ficando preta”.
Sou cristã e acredito piamente nos escritos bíblicos, embora os considere figurados, especialmente o Apocalipse, e por isso devemos fazer a ponderada exegese de seus livros, o que não é tarefa fácil. Em outras palavras, acredito que os fatos profetizados sobrevirão sim, mas talvez não exatamente como descritos.
Mas ainda que não fosse a minha crença, como duvidar do extermínio do nosso planeta? Tudo leva a crer que entramos em um processo irreversível de destruição, como disseste.... A comunidade científica mesmo já admite que a degradação ambiental é muito mais rápida do que se estimava no começo.
Para mim, de um jeito ou de outro, encaminhamo-nos para o “gran finale”, protagonizado pelo próprio homem.
Um grande abraço,
Guta.

Marco Antonio Zanfra disse...

Tá viva, Guta?

Kafka disse...

O importante é percebermos que, biblicamente ou não, o planeta está a caminho da destruição. Será que ainda dá tempo de reverter?

Serafim disse...

Amigo Zanfra

A ganância sempre trará problemas.Estão simplesmente mexendo com quem está quieto.Santa Catarina sofreu por isso e agora é o Piauí.Quem será o próximo?.
É muita retórica e pouca prática.

Abraços

fábio mello disse...

Se dá tempo para reverter? Creio que a vaca já foi solenemente para o brejo.

Por falar em Folha das antigas, bom mesmo era o boteco embaixo do jornal. Tomei muitas lá com o meu saudoso amigo Omar Luís Cupini Jr.

abraço a todos.

Marco Antonio Zanfra disse...

Fabião: também frequentei muito o bar embaixo do jornal. Durante nove anos, para ser mais exato. Senti uma pontada de tristeza quando voltei do Japão e o vi transformado em estacionamento. Mas quero lembrar que, em meu último encontro com o saudoso Omar, tomei guaraná.

Erasmo Carlos disse...

"O fim do mundo já está sendo. Começou há muito tempo. Ninguém disse que tudo acabaria em um único dia."
(desculpem minha pretensão: o cantor Erasmo Carlos não escreveu ao blog para manifestar sua opinião; copiei-a de uma entrevista recente dele)

Ricardo Câmara disse...

Prezado Zanfra;

Sem poder mais suportar a irreverência humana, o planeta terra demonstra sua repulsa através dos acontecimentos catastróficos registrados no mundo inteiro. A natureza se rebela como fonte de protesto através de maremotos, terremotos, furacões e estiagem que se transformam em desertificação, ameaçando o seu oponente, o homem, pivô de todo esse desequilíbrio terreno, a ficar desprovido do seu próprio alimento. Agora resta refletir nas mentes desses grandes dirigentes de países de super-potência, o que será dessa geração que está surgindo e o que foi feito por ela em termos de sobrevivência para disputar as últimas gotas de água potável que restará no mundo.

Clóvis Lima disse...

Olá Zanfra. Muito bom esse texto. O fim do mundo é natural, a questão é que o homem está apressando o processo. Ah! A charge eu fiz antes de ler seu texto, a motivação é o Dia Internacional do Meio Ambiente.

Eliz disse...

Oi Zanfra,

O apocalipse previsto nas escrituras bíblicas, já está confirmado nas revistas científicas. De acordo com estudos científicos o universo está se expandindo, conseqüentemente as estrelas se extinguiriam, leia-se o sol, e uma cortina de escuridão gelada iria envolver toda a existência, a não ser que a humanidade encontrasse outro planea pra viver.

Marco Antonio Zanfra disse...

Ou a não ser que a humanidade encontrasse uma forma de destruir-se primeiro...

Cintia disse...

Alem de todo o exposto acima, ainda poderemos ser pulverizados por um meteorro errante.. Ai..ai..

Marco Antonio Zanfra disse...

Tipo uma "bala perdida"?

Sentiram minha falta disse...

Diante de tanta "cagada" que o homem tem feito,o que me dá medo não é do suspiro cósmico,e sim da flatulência cósmica.

A.Conselheiro,Sá,Rodrix&Guarabira disse...

-Pô,essa frase é minha!

A.Conselheiro,Sá,Rodrix&Guarabira disse...

"A frase é nossa e nosso nome saiu errado!"

Jacinto Antonio disse...

Zanfra,

o Apocalipse está aí.
Não conseguimos ainda nem separar o lixo, ceder ou negociar a vez no trânsito, Ter tolerância com "o diferente", entre outras coisas. Tudo isso torna nosso ambiente cada vez mais hostil.

Parabéns pela reflexão.

Um forte abraço.

Jacinto.

Anônimo disse...

Lembro, como esquecer. E faltou o Vita nesta sua lista de arianos, não é mesmo ? Pelo visto vc também abandonou o vício. Essa hora sempre chega e é bom quando chega a tempo de se evitar o pior. Deixa eu acrescentar uma coisa; entre os quebra-gelo do chopp, ainda tinha a jurubeba Leão do Norte. Que saúde. Abs. Serei freguês do seu espaço. Boa sorte.

Carlos Martí disse...

O fim já começou e não tenho nenhuma dúvida disso. Todo processo começa seu fim, no exato e imediato momento após o seu início. Por isso, estamos mais perto do fim do que estavamos lá, quando tudo começou, big-ban ou seja lá como aconteceu. Quando será o fim? Acho que ninguém sabe. Muita pretensão do ser humano inclusive quando quer acreditar num fim abrupo causado pela própria atuação. Difícil, nem temos esse poder todo, e olha que temo-nos esforçado um bocado. Numa visão macrocósmica, quem sabe não somos feito um bando de formiguinhas e a nossa margem de intervenção é bem mais insignificante do que queremos imaginar? Contudo, reconheço que a sensação de antropocentrismo faz bem. Também descarto que permanentemente, caia sobre nós o olhar castigador de um grande irmão. Somos células e nada no Universo nós dá tanta importância ou nos atribui tanto poder como nós mesmos.