segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Celebridades


Sempre ignorei as dezenas de convites que recebi para fazer parte desses sites de relacionamento como o Orkut e o MySpace, além de outros menos cotados e mais recentes como o Hi5 e o Sonico. Não tenho nada contra quem os integra e até defendo seu direito de integrá-los. Mas acho que não é nessas areias que eu devo estender a minha toalha.
Não creio que detalhes de minha vida devam ficar expostos em rede mundial. Não tenho vocação para celebridade mundana. Não quero que minha fotos, fotos de minha família, fotos de meus amigos sejam acessíveis a milhões de desconhecidos, que, na melhor das hipóteses, podem fazer delas o que bem entenderem – como demonstra a hilária página 33 Razões Por Que Você Não Deveria Postar suas Fotos na Internet. Se a intenção de quem freqüenta essas comunidades é justamente atingir os 15 minutos de fama prometidos por Andy Warhol, estou fora.
Não defendo a autoclausura, o ostracismo ou o culto à incognoscibilidade, mas acredito que me basta ser conhecido no ambiente que freqüento, profissionalmente ou por conta de alguma obra que repercuta um pouco além. Se eu tiver de ser famoso, que seja por motivos justos. É melhor ser um ilustre desconhecido do que motivo de escárnio nos cinco continentes. Ao ser humano deveria bastar ser ridículo diante do espelho. Se não lhe basta, sempre resta o espelho do mundo dos sites de relacionamento para que exiba sua face burlesca.
Outra coisa que para mim advoga contra as chamadas “redes sociais” é a promiscuidade. Não é algo seletivo. Fulano, que está dentro, convida Sicrano, que está fora, e as portas se abrem sem qualquer solenidade. Eu fui diversas vezes convidado, então qualquer um pode ser. Defendo a coerência de Groucho Marx e não quero ser sócio de um clube que me aceite como sócio. Se eu posso freqüentar determinado ambiente, a freqüência desse ambiente certamente não é das mais aconselháveis.
Graças a essa promiscuidade – mais desconhecida do que indesejada – é possível a comunidades que defendem a eugenia, a depuração étnica, a intolerância e o ódio divulgarem seus princípios tenebrosos; ou a grupos que traficam pornografia envolvendo crianças colocarem a pedofilia como um dos maiores males deste século; ou a pobres de espírito entrarem na rede para cantar ao mundo sua insensibilidade, incivilidade e primitivismo atrozes, como os patetas que estão usando a net para divulgar piadinhas de gosto duvidoso sobre a recente tragédia que se abateu sobre Santa Catarina.
A liberalidade dá chance também aos simplórios inofensivos de se tornarem celebridades grotescas e instantâneas com uma foto risível e uma legenda mais risível ainda, do tipo “esse sou eu, lindo e gostoso”, mas isso, no fundo, acaba sendo uma faca de dois legumes. Pois a eles sobra o risco de livrarem-se da segurança do anonimato, como aconteceu há pouco em Melbourne, na Austrália. Foi graças a um desses sites de relacionamento – o Facebook – que o dono de um restaurante conseguiu cobrar a conta de 340 dólares que um grupo de caloteiros havia deixado em seu estabelecimento: um dos rapazes foi reconhecido pela foto no site; pelo perfil, descobriu-se que ele trabalhava num restaurante próximo de onde ele e seu grupo fugiram sem pagar. Daí a cobrar o prejuízo, foram alguns poucos metros.
Imaginem se o Pelé tentasse assaltar um banco apostando que ninguém fosse reconhecê-lo. Ser celebridade tem lá suas desvantagens.

14 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Jornalista.

Nunca participei desse tipo de comunidade na Interenet, mas tenho 3 sites, justamente para ficar conhecida. Essa minha vontade de " aparecer" não tem objetivo pessoal, apenas gostaria que as pessoas ao menos ouvissem o que tenho a dizer, em relação aos salões de arte, exposições de pinturas, e mesmo sites sobre arte.
A 28 Bienal, é a prova que os dirigentes, organizadores, enfim os responsaveis pelas moastras de arte estão errados, e o que é pior não querem mudar.
Mauro Chaves, que tem um espaço no Estadão, onde faz comentarios sobre todos os assuntoas, ao comentar a 28 Bienal xingou todo mundo, começando pelo curador,depois pelo presidente da instituição e até o público que foi "agraciado" como ignorante. Enviei um e-mail para o Forum dos leitores, ( que não publicou) e a cópia para o jornalista. Você não imagia o que esta pessoa me respondeu.
É muito dificil discutir ideias, quando os arrogantes desqualificam seus opositores. E acredito que pessoas com ideologias diferentes podem discutir, no bom sentido, sem se agredirem , ouvindo , refletindo e depois continuar com o seu pensamento ou mudar, mas sempre permitindo a liberdade de expressão dos seus opositores.
Agradeço sua atenção e o convido a visitar o site www.arbasp.com.br, e deixar um comentario , uma critica e uma sugestão.
Um grande abraço
Maria Gilka

Regina Andrade disse...

Zanfra....nunca tive também interesse ( até agora) de participar destes sites citados por vc. Existem sim, seres que agem exatamente como vc expõe seu pensamento...no entanto, existem outros humanos que utilizam estes sites para o conhecimento - coletivo e democrático!

Anônimo disse...

Oi Zanfra (voltei, depois de uma longa e chuvosa primavera – estive até na tua terra, em Sampa),

Também nunca tolerei esses sites de relacionamento da Internet e jamais fiz parte de qualquer um, exceto o MSN, no qual ingressei faz uns dois ou três meses, por insistência de uma amiga minha, e por considera-lo mais reservado (na verdade, quando se está na NET, nada é muito reservado, vá lá!).
Cá pra nós, concordo que é muito melhor ser uma “ilustre desconhecida”. É mesmo uma exposição total a que as pessoas se submetem, quando abrem as portas de sua privacidade a qualquer um. Para mim não dá! Além disso, prefiro pessoas, amigos, namorados, bate-papos reais aos virtuais. Não há nada que supere o “olho no olho”, seja na mais simplória conversa.
Não que eu seja uma misantropa, mas simplesmente considero essa postura “super desprendida” (falo tudo, não escondo nada!) algo temível, que não pode ser bom para ninguém. Sem falar nas oportunidades que esses infelizes que se revelam “de corpo e alma” estão perdendo. Já está sendo divulgado na mídia que os departamentos de Recursos Humanos das empresas, ao selecionarem candidatos para preenchimento de vagas, estão dando uma “espiadinha” na Internet, e não precisa nem dizer o que acontece com aqueles que freqüentam as comunidades do tipo “Odeio as segundas-feiras”, “Gosto do ócio criativo”, “Bebo todas todos os dias” , “Detesto meu patrão”, etc.
Evidente que não sou contra sites úteis à coletividade, nos quais se veiculam informações, textos e artigos de interesse da sociedade, ou de um ou outro grupo social ou profissional. Esse, sem dúvida, é o melhor serviço que a grande rede presta. O desserviço fica por conta desses sites mencionados por ti, ou melhor, da má utilização que acabam propiciando.
Um grande abraço.
Guta.

José Luiz Teixeira disse...

Zanfra, já que você não gosta de revelar suas intimidades, como tem coragem de colocar no seu blog uma foto com a camisa do Palmeiras? Que vergonha!

Cintia disse...

Eu participo do Orkut e ja tive um blog.. Mas nunca me passou pela cabeca que eu buscava a celebridade, a fama ou a notoriedade. Potencialmente se pode atingir milhoes de pessoas, mas na pratica ainda se segue no mais puro anonimato. No meu caso, pude reencontrar muitas pessoas com as quais havia perdido contato, e, por morar no exterior, asseguro um minimo contato com meus entes queridos - como no caso do meu primao aqui..

Marco Antonio Zanfra disse...

Sim, mas, fora o "seu primão aqui", a quantas pessoas, algumas mal-intencionadas, muito mal-intencionadas, não está disponível o seu "anonimato"? As pessoas costumam se abrir, no Orkut, confiando no grau de iluminação das mentes que freqüentam os sites de relacionamento, mas se esquecem de que, como diz a velha máxima, de boas intenções o Inferno está cheio. O máximo que me permito mostrar de minha intimidade - segundo criticou o José Luiz Teixeira aí em cima - é botar no blog uma foto com a camisa do glorioso verdão.

Frank Maia disse...

cara, qdo vi vc falar 'celebridade' pulei pra cá pra ver do q se tratava. É q vem batucando na minha cabeça, há dias, q essa tragédia toda em SC faz com q alguns cretinos virem celebridades. Me contaram de casos de beócios de segundo e terceiro escalões do governo ligando pra jornalistas pra darem entrevistas, chutando dados...essas coisas. Sobre orkut, devo te dizer...reenconteri meus primos, tios e até o irmão. Tem lá seu valor. Abração

Cintia disse...

Mas ainda assim.. que raios podem querer fazer com minhas fotos? A troco do quê? Se eu ja fosse uma celeb, sim.. muita gente poderia querer me sacanear..
Agora, com criancas, sim, vejo um grande perigo...
Mas nao posso me queixar da internet.. afinal foi atraves dessa coisa que encontrei meu marido ha onze anos atras..

Ricardo Câmara disse...

Prezado Zanfra;
Também, tenho recebido vários convites desses 'site', porém sempre recuso quanto à exposição de minha imagem, haja vista as adulterações em torno das fotos que os "artistas" virtuais modulam através de montagens.À prova disso tudo, está aí, no exemplo citado nesse blog,"33 Razões Por Que Você Não Deveria Postar suas Fotos na Internet".A rapidez da informação, os trabalhos técnicos, as pesquisas científicas e dentre outras tarefas realizadas na seara da informática, têm facilitado em muito, a vida do ser humano, mas tem o outro lado contraproducente que é o da falsificação e inversão de valores, posto que a invasão de privacidade que até o momento não foi solucionado, qualquer pessoa pode ser vítima de calúnia, difamação sem ter cometido nenhum agravante, e até prova em contrário, pode ser prejudicada por essa aleivosia provocado por seres inescrupulosos.Contudo,enquanto não houver uma segurança de privacidade nesses grupos de relacionamentos,a preservação da imagem é essencial para se evitar certos transtornos que venha abalar a moral.

Vico disse...

O problema é, sempre foi e sempre será a generalização. Da mesma forma que há os idiotas que usam o orkut para piadinhas infames, para distribuir sacanagem e para mostrar fotos ampliadas do próprio umbigo, há os que utilizam para agregar, para relacionar-se com o mundo sem estresses ou traumas, para dividir com os outros o que a vida lhes deu de bom.

Marco Antonio Zanfra disse...

E há os outros que adoram essa tese de dividir, desde que não tenham de dar nada em troca. A internet está cheia desses parasitas, prontos para recepcionar "o que a vida lhes deu de bom" dos outros. Outra coisa: não há como não generalizar, se pretendemos mostrar o lado obscuro de certas coisas que, no íntimo, podem ser boas.

Cintia disse...

A internet e apenas um mundo dentro do nosso universo. Entao, o que está lá, estáa aqui fora tambem. Somente que mais visivel por estar concentrado e confinado nessa virtualidade. Se nao fosse a internet, os poportunistas e canalhas existiriam do mesmo modo. E do mesmo modo que podem atingir mais visibilidade, tambem se tornam mais faceis de se identificar...

Bonassoli disse...

Tô no Orkut e no MySpace (este por causa da saudosa época em que eu militava na imprensa rock and roll). Ambos - e os demais sistemas - têm vantagens e desvantagens, como tudo na vida (ô filosofia de butiquim!!).

O mais chato é que, ao menos uma vez por ano, surge um sistema novo e todo mundo fica te alugando para se juntar.

Marco Antonio Zanfra disse...

Faça como eu: não se junte!